Covid-19: governo libera quarta dose para maiores de 40 anos

O Ministério da Saúde decidiu intensificar a campanha destinada a incentivar a população a completar o ciclo vacinal contra a covid-19. Segundo a pasta, cerca de 120 milhões de pessoas aptas a tomar a segunda dose ou a dose de reforço das vacinas ainda não retornaram aos postos de vacinação de todo o país e seguem desprotegidas contra as manifestações graves da infecção pelo novo coronavírus.
A campanha de estímulo à vacinação contra a covid-19 chega no momento em que o Ministério da Saúde liberou a segunda dose de reforço (ou quarta dose) para as pessoas que têm a partir de 40 anos de idade. De acordo com a pasta, cerca de 8,79 milhões de pessoas desta faixa etária e que receberam a terceira dose a mais de quatro meses poderão retornar aos postos de vacinação a partir de hoje (20). A recomendação é que estes indivíduos sejam imunizados com as vacinas da Pfizer, AstraZeneca ou Janssen.
“Além de expandirmos a população-alvo do segundo reforço, o motivo de estarmos aqui, hoje, é convoc..

Ministério da Saúde deve liberar 4ª dose contra covid para todos acima de 18 anos

O Ministério da Saúde deve liberar a quarta dose da vacina contra a covid-19 a toda a população adulta em 2022. A previsão é que nesta semana, mais uma faixa etária seja contemplada com o segundo reforço do imunizante. Atualmente, apenas pessoas abaixo dos 50 anos, profissionais da saúde e imunossuprimidos podem ter acesso.
Segundo informações do jornal O Globo, o ministério avalia se se todas as faixas etárias serão contempladas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) ou se parte do grupo terá que se imunizar em clínicas particulares. O intervalo de aplicação será de quatro meses a partir da terceira dose. Devem ser usados imunizantes da Astrazeneca e Pfizer.
“Observando o comportamento do vírus, estamos caminhando para termos, pelo menos, um (segundo) reforço na população acima de 18 anos”, disse o secretário-executivo da pasta, Daniel Pereira.
A medida se baseia na recomendação dos integrantes do Comitê Técnico Assessor em Imunizações do Programa Nacional de Imunizações (CTAI PNI), def..

Número de casos suspeitos de varíola dos macacos no Brasil sobe para seis

Aumentou para seis o número de casos suspeitos de varíola dos macacos no Brasil, informou neste sábado (4) o Ministério da Saúde. Até agora, não há casos confirmados no país.
Existem dois casos em investigação em Rondônia, um no Mato Grosso do Sul, um no Rio Grande do Sul, um no Ceará e um em Santa Catarina. Todos os pacientes estão isolados e sendo monitorados.
“O governo federal segue reforçando a política de testagem para que possamos otimizar a confirmação diagnóstica da doença. Gostaria de trazer tranquilidade para a população brasileira, porque o governo está vigilante e atento. O Brasil está preparado para atender nossa gente”, disse o ministro Marcelo Queiroga em uma rede social.
Com medo de que a população ataque os macacos caso a doença chegue de fato ao Brasil, o Ministério da Saúde tem usado o nome em inglês, “monkeypox”.
Até agora, 813 casos de varíola dos macacos foram confirmados em 30 países. Há 30 casos sob investigação em todo mundo.
Os principais sintomas da..

ANS aprova incorporação de 6 terapias contra câncer em rol de planos

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) aprovou nessa segunda-feira (30) a inclusão de seis terapias orais contra o câncer no rol de procedimentos de cobertura obrigatória para os planos de saúde. Com isso, as operadoras terão prazo de até dez dias para começar a oferecer os tratamentos a seus beneficiários.
As terapias envolvem quatro medicamentos. O acalabrutinibe poderá ser usado em três procedimentos: para tratamento de pacientes adultos com leucemia linfocítica crônica (LLC), em primeira linha de tratamento; para adultos com LLC recidivada ou refratária; e para adultos com linfoma de células do manto (LCM) que receberam pelo menos uma terapia anterior.
Além disso, foram incluídas terapias com os medicamentos apalutamida e enzalutamida, ambos para tratamento de pacientes com câncer de próstata metastático sensível à castração (CPSCm), e lorlatinibe, para o tratamento de pacientes com câncer de pulmão não pequenas células (CPNPC), localmente avançado ou metastático que seja ..

Ministério da Saúde: Brasil tem dois casos suspeitos de varíola dos macacos

O Ministério da Saúde informou que recebeu notificação de dois casos suspeitos de varíola dos macacos no Brasil – um no Ceará e outro em Santa Catarina. Um terceiro caso, que pode ser suspeito, também é monitorado no Rio Grande do Sul.
Os pacientes em questão estão “isolados e em recuperação”, segundo o ministério, sendo monitorados por equipes de vigilância de saúde. “A investigação dos casos está em andamento e será feita coleta para análise laboratorial”, acrescenta nota da pasta.
O caso do Rio Grande do Sul ainda não é considerado suspeito. “A reavaliação está sendo feita de acordo com os critérios de definição. Até o momento, não há confirmação do rumor como caso suspeito”, informa o ministério.
A Secretária de Saúde do estado diz que o indivíduo em questão tem uma “história de viagem”. Como o paciente tem outor diagnóstico confirmado, isso descartaria se tratar de vaírola dos macacos, mas o caso segue sob investigação.
Não foram divulgados mais detalhes sobre os pacientes co..

Ministério recomenda 3ª dose da vacina da covid para adolescentes de 12 a 17 anos

O Ministério da Saúde decidiu ampliar a recomendação da dose de reforço da vacina contra a covid-19 para adolescentes entre 12 e 17 anos. A dose de reforço deve ser aplicada quatro meses após a segunda injeção, preferencialmente com a vacina da Pfizer, independentemente da que foi aplicada anteriormente. A medida é tomada em meio ao aumento do número de casos do coronavírus no País.
Caso não haja estoque do imunizante da Pfizer, afirma o ministério, pode ser usada a Coronavac, fabricado pelo Instituto Butantan em parceria com a chinesa Sinovac. Os dois produtos são autorizados pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) para essa faixa etária.
Adolescentes grávidas e puérperas (aquelas que tiveram filhos há poucas semanas) também devem buscar a proteção. No caso de adolescentes imunossuprimidos – como transplantados ou pacientes oncológicos -, as autoridades recomendam somente a vacina da Pfizer.
Especialistas têm alertado sobre a baixa adesão de crianças e adolescentes à vacinação. ..

O cigarro não é o único vilão: veja o que mais causa câncer de boca e como evitar

Como está a saúde da sua boca? Você tem alguma ferida há mais de duas semanas sem cicatrizar? Fuma, bebe? Então, é hora de se cuidar. Neste mês de maio, dedicado à conscientização do câncer bucal e no próximo dia 31 se comemora o Dia Mundial de Combate a esse tipo de câncer, o programa Saúde & Bem-Estar, do Correio, conversou com o médico Daniel Brito (@danoliveirabrito), oncologista do NOB Oncoclínicas (@oncoclinicasba). Ao jornalista Jorge Gauthier (@jorgegauthier), ele destacou os riscos do cigarro, por exemplo, que aumenta em 10 vezes o risco dessa doença.
O câncer de boca costuma ser diagnosticado tardiamente e é responsável por mais de seis mil óbitos por ano no Brasil. De acordo com estimativas do INCA (Instituto Nacional de Câncer), 15.190 novos casos de câncer de boca e orofaringe devem ser diagnosticados no Brasil em 2022, sendo 11.180 em homens e 4.010 em mulheres. Quando diagnosticado e tratado precocemente, esse tipo de tumor pode ter até 90% de chance de cura.
REVEJA O..

Anvisa sugere máscara e isolamento para adiar chegada de varíola

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) está pedindo reforço de medidas não farmacológicas, como distanciamento, uso de máscara e higienização frequente de mãos, em aeroportos e aeronaves, para retardar a entrada do vírus da varíola dos macacos no Brasil. Desde o início do mês, ao menos 120 ocorrências da doença foram confirmadas em 15 países. O Ministério da Saúde instituiu ontem uma sala de situação para monitorar o cenário da monkeypox no Brasil.
A rara doença pode chegar nos próximos dias, segundo especialistas ouvidos pelo Estadão. No domingo foram registrados casos suspeitos na vizinha Argentina. A varíola dos macacos é, na verdade, doença original de roedores silvestres, mas isolada inicialmente em macacos. É frequente na África, mas de ocorrência muito rara em outros continentes.
Cientistas acreditam que o desequilíbrio ambiental esteja por trás do atual surto, mas não veem razão para pânico. “Acho muito difícil que (a doença) não chegue aqui”, afirmou o presidente ..

Brasil investiga 7 casos suspeitos de hepatite misteriosa em crianças

O Ministério da Saúde informou nesta sexta-feira (6) que monitora sete casos suspeitos de um tipo de hepatite aguda infantil de origem até agora desconhecida. Três são no estado do Paraná e quatro no Rio de Janeiro. Os casos seguem em investigação.
Segundo a pasta, os Centros de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (Cievs) monitoram junto a Rede Nacional de Vigilância Hospitalar (Renaveh) qualquer alteração do perfil epidemiológico, bem como a detecção de casos suspeitos da doença.
A pasta orienta aos profissionais de saúde e da rede de vigilância que suspeitas sejam notificadas imediatamente.
No sábado (30), a Organização Mundial da Saúde (OMS) confirmou a primeira morte relacionada à hepatite infantil, sem informar detalhes. Ainda de acordo com a OMS, pelo menos 17 jovens precisaram de transplante de fígado. Em nota, a entidade descartou qualquer relação da doença, que causa inflamação no fígado, com a vacinação contra a covid-19.
De acordo com a agência de notícias R..

Saiba o que você precisa saber para evitar doenças graves nos seus filhos

Não, vacina nenhuma causa Síndrome de Down. Não, vacina nenhuma pode provoca mutações genéticas. Não, vacina não provoca gripes ou resfriados. A pediatra Ludmila Carneiro (@ludmila.pediatra ), sócia da clínica CSI em Brotas, explicou mitos e verdades sobre vacinação infantil durante sua participação nesta terça-feira (03) no programa Saúde e Bem-Estar apresentado pelo jornalista @jorgegauthier no Instagram @correio24horas.
Reveja a conversa e saiba o que você precisa saber para evitar doenças graves nos seus filhos. “É preciso confiar nas vacinas”, destacou a pediatra. O Brasil não atingiu nenhuma das metas de cobertura das vacinas infantis disponíveis pelo PNI (Programa Nacional de Imunização) em 2020.