Ulan Galinski é campeão brasileiro de mountain bike e promessa para Paris 2024

O movimento ‘Baianos no topo’ continua em alta e o representante da vez vem do Vale do Capão, na Chapada Diamantina. Ulan Galinski foi campeão brasileiro de mountain bike na categoria maratona. Aos 23 anos, o atleta conquistou o título no último domingo, ao vencer prova disputada em Juiz de Fora-MG. Ele é uma das promessas para representar o país na próxima Olimpíada, em Paris.

Para Ulan, 2024 é logo ali. Em conversa com o A TARDE poucos dias depois de vencer o campeonato brasileiro, ele já fazia projeções de olho no início do próximo ciclo olímpico, em maio do ano que vem.

“Próximo ano eu quero me manter consistente nesse nível. Em maio abre o ciclo olímpico para Paris-2024. A partir do momento que esse ciclo abrir, eu quero estar pronto para brigar por essa vaga. Continuar me desenvolvendo para evoluir cada vez mais entre os melhores do mundo”, planeja o atleta baiano.

Ele falou também sobre a relação com os Jogos. Um “sonho de criança” que ganhou novo sentimento depois do brilho de tantos baianos em Tóquio. Isaquias Queiroz (ouro na canoagem), Hebert Conceição (ouro no boxe), Ana Marcela (ouro na maratona aquática) e Bia Ferreira (prata no boxe) representaram o estado nos pódios japoneses. Ulan quer fazer o mesmo em Paris.

“Eu vivo muito as Olimpíadas. É, para mim, o evento mais mágico do planeta. Um sonho de criança. Algo que eu quero muito viver. Ver os baianos brilhando foi muito legal esse ano. Para mim é uma grande honra poder representar meu estado, e eu me senti muito representado pelos baianos que estiveram em Tóquio. Eu assisto e já começo a sonhar com a minha vez, mas sei que não é algo fácil”, suspira Ulan.

Na última Olimpíada, a mountain bike brasileira esteve representada por Luiz Henrique Cocuzzi e Henrique Avancini, que é o maior nome da modalidade por aqui. Ele, inclusive, é gestor da equipe de Ulan, a Caloi / Henrique Avancini Racing.

O baiano tem Avancini como ídolo, e comentou como funciona a relação com o chefe, que é referência e também adversário nas competições.

“É muito legal nossa relação. Eu sempre tive ele como inspiração e grande ídolo no esporte. Com o passar do tempo, ele se tornou meu chefe e mentor. E hoje é também meu adversário dentro das pistas. É um cara que faz parte do meu desenvolvimento. Me ajuda muito em todas as áreas dentro desse processo de ser um atleta de alta performance”, valoriza o baiano.

A vitória

O Campeonato Brasileiro vencido por Ulan foi disputado em etapa única, no último domingo. Ele percorreu os 60 quilômetros de trilhas em 1h52min35s. Só 24 segundos à frente do também baiano Kennedi Lago.

“O Campeonato Brasileiro é uma prova muito significativa porque ela te dá o direito de carregar a bandeira do Brasil no uniforme na próxima temporada”, explica Ulan. “Isso tem um significado muito importante para qualquer atleta. Todo mundo vai em busca dessa honra. Eu fico muito feliz por ter vencido e por poder carregar a camisa de campeão brasileiro em todas as provas da próxima temporada”, conclui o atleta baiano.

Ulan se tornou o primeiro nordestino campeão brasileiro na categoria, e alcançou o feito já na temporada de estreia no cenário profissional. Até o ano passado, o ciclista disputava competições sub-23 no cenário da mountain bike.

O título conquistado em Juiz de Fora foi a cereja do bolo que representou um debute dos sonhos para o baiano. Ao longo de 2021 ele venceu outras competições e somou pontos importantes para o ranking mundial de mountain bike.

“Este ano foi minha estreia na categoria elite. O meu primeiro ano na categoria oficial. E foi muito positivo para mim. Fui o primeiro nordestino a ser campeão brasileiro. O primeiro nordestino a vencer a Copa Internacional, que é uma competição muito importante. Também ganhei algumas corridas que valem ponto para o ranking mundial, então, foi uma estreia muito importante pra mim”. Em três anos, outra estreia aguarda Ulan. A Tarde

Deixe uma resposta