Após fazer chamada com Bolsonaro, irmão de petista morto discorda da conclusão da Polícia Civil

A conclusão do inquérito que a Polícia do Paraná comunicou, informando que não houve crime político no assassinato de Marcelo Arruda, foi discordada pelo irmão do tesoureiro do PT, Luiz Donizete Arruda.
Em entrevista à RPC, do Paraná, o irmão do petista, que fez uma chamada de vídeo com o presidente Jair Bolsonaro (PL) nesta semana, afirmou que Jorge Guaranho foi na intenção de assassinar o tesoureiro. “Foi um crime político porque ele [Jorge Guaranho] viu uma decoração que era de esquerda, que tinha a imagem do ex-presidente [Lula], e que caracterizava uma simpatia do PT do meu irmão, e que era um adversário, enquanto eram pessoas de bem”, disse.
Ainda na entrevista, ele frisou que uma pessoa de bem não iria parar em uma festa para atacar outros aleatoriamente. Tudo foi premeditado pelo suspeito.
“E outra coisa: situação de uma ronda. Se o cara vai fazer uma ronda no local, chega lá e está tudo tranquilo, são pessoas de bem, as pessoas não estão vandalizando, não tem briga, não tem..