Qual a sua paleta? Veja como descobrir as cores que valorizam sua beleza

Médica dermatologista Renata Pedreira buscou entender como as cores poderiam influenciar na sua imagem

Médica dermatologista Renata Pedreira buscou entender como as cores poderiam influenciar na sua imagem (Foto: Ana Lúcia Albuquerque/ CORREIO e Reprodução)

De vez em quando, abandone o conforto do bege. Veja que o pretinho não é tão básico assim. Não tenha medo de sair de casa iluminando por aí com um look laranja ou uma produção pink. Combinar e equilibrar as cores do seu guarda-roupa pode ganhar um sentido diferente quando você descobre a sua própria paleta.

Muita gente inclusive já percebeu que a cor dos olhos, da pele, sardas, cabelo, temperatura e até das veias sanguíneas podem dizer muito sobre aquele look. É essa percepção que nos faz desistir, às vezes, de vestir uma roupa que já tem um tempo parada no armário, ou o que faz alguém usar quase sempre a mesma cor. Quem nunca?

A médica dermatologista Renata Pedreira, 37 anos, sempre gostou muito de usar branco e preto até descobrir que ela podia ousar um pouco mais na escolha de peças coloridas, após buscar a consultoria de um profissional de imagem e de estilo que analisasse sua coloração pessoal, teste também conhecido como colorimetria. “Queria entender melhor como as cores poderiam influenciar na minha imagem e como eu poderia utilizar isso a meu favor”, conta.

Renata confessa que se viu animada com a chance de ir além do tradicional. “Minha paleta é a primavera brilhante/intensa. No guarda-roupa, mudei a forma de escolher as cores das peças e, ao valorizar a pele e a fisionomia do rosto, automaticamente, a pessoa fica com mais vontade de se arrumar, mais caprichosa com os detalhes. Depois do estudo, comecei a usar bem mais peças coloridas. Dá uma reforçada na autoestima”.

Se a cor é a impressão que a luz refletida ou absorvida produz nos olhos, ela também vai se comportar de maneira diferente conforme o tom de pele de cada um. É aqui que a análise de coloração pessoal chega para ajudar a descobrir quais são os tons que podem valorizar a beleza natural e única, como explica a consultora de imagem e estilo da Neuf, Tiana Dórea.

“Ao analisar a pele de alguém com tecidos específicos, percebemos que alguns tons se harmonizam mais do que outros com a sua beleza. Nesse método comparativo, definimos a cartela que mais favorece essa pele, com tonalidades para roupas, acessórios, cabelo e maquiagem. Ninguém mais quer sair por aí gastando dinheiro com o que não agrega. Essa orientação da cartela ajuda a comprar aquilo que sabemos que vamos usar”, comenta Tiana.

A paleta ideal que combina, favorece a pele, equilibra os traços, texturas e pigmentos virou tendência, ou melhor, uma febre mesmo entre os mais famosos. Só a Consultoria Neuf já fez a coloração pessoal de artistas como Shantal (empresária e influencer), Nathalia Dill (atriz), Carol Peixinho (ex-BBB) e Camila Gaio (youtuber e influencer). Tiana dá mais alguns detalhes de como é feita a análise de coloração:

“Sem maquiagem e com luz natural, o consultor de imagem vai realizar o teste com tecidos exclusivos e, a partir daí, analisar as características da sua pele: o contraste, temperatura, intensidade e profundidade. Cada uma delas nos ajuda a chegar a um resultado que será a sua cartela de cores, se ela é inverno, outono, verão ou primavera”.

Com a cartela de cores pessoal, é possível perceber, por exemplo, que o preto não é uma cor tão democrática como se imagina, conforme destaca a especialista. Das 12 cartelas de cores, somente cinco possuem a cor preta.

“O preto não é universal, como muita gente pensa. O teste de cor cai como uma luva porque a pessoa ganha mais confiança para se jogar em todas as possibilidades coloridas que a cartela lhe proporciona”, afirma Tiana.

E se já tem gente pensando que vai precisar trocar o guarda-roupa inteiro ou deixar de usar o branco de lei na sexta-feira, calma, não é bem assim. “A cor reflete no nosso humor, nossos desejos de imagem e na forma que as outras pessoas nos veem. A paleta não limita o uso de uma cor ou de outra, mas é importante entendermos essas ferramentas para usá-las adequadamente na nossa estratégia de imagem e comunicação não-verbal”, completa a consultora.

Efeito provador
Antes de partir para as dicas, a consultora de Imagem e Estilo Jéssica Leite precisa dizer que a luz do provador faz a diferença na paleta de cores pessoal. Não é uma mera impressão.

“Em lojas, geralmente, a luz é muito fria ou muito quente, e a iluminação nesses ambientes interfere na percepção do cliente sobre o que realmente ficou bom ou não, e aí você leva para casa, mas na prática acaba não usando aquela peça e não entende por que isso está acontecendo”, alerta.

No geral, os consultores de moda e estilo cobram entre R$ 350 a R$ 700 pelo teste. Porém, a depender do profissional, a análise pode vir agregada a pacotes que incluem serviços de personal shopping, detox de guarda-roupa ou produção de looks, por exemplo.

Seja uma cartela verão, primavera, outono ou inverno, Jéssica, que chega a fazer quase 30 atendimentos por mês, ressalta que o principal objetivo da coloração pessoal é a descoberta das suas cores.

“Muitas vezes, as pessoas buscam procedimentos estéticos e até invasivos, quando na verdade, ela só precisa entender que uma cor de roupa é capaz de iluminar o seu rosto, amenizar alguns sinais e olheiras, por exemplo. Isso é um empoderamento também, né? Você fica mais seguro com o que está vestindo e é um resultado que não muda. Ou seja, a cartela de cores é sua. Seja hoje com 30 anos ou amanhã com 80”.

***

CARTELA DE CORES

1. Verão
Nessa paleta, as cores são mais suaves, claras e acinzentadas, como explica o personal stylist Cleidson Marques (@cleidson.marquess).

.Verão Puro
Uma pessoa com essa cartela tem a pele clara, de fundo rosado e bem sensível à exposição ao sol. “Para quem não tem medo de ousar nas cores, eu sempre indico tons mais quentes, intensos e vibrantes do verde, e rosa. Já para os mais discretos, recomendo o verde, rosa e cinza em versões em tons mais pastéis”, sugere Cleidson.

. Verão Suave
Essa cartela também contempla pessoas com a pele bastante clara e com fundo rosado. A cor do cabelo, geralmente, tende para o castanho acizentado e alguns tons de loiro. A diferença com relação à cartela anterior está na prevalência de tons mais frios e opacos. “Os tons mais frios e de menor intensidade de azul são o ponto forte dentro desta cartela mais sutil. A atriz Jeniffer Aniston – que ficou conhecida como Rachel da série Friends – é um bom exemplo de mulher que se encaixa dentro da cartela verão suave”.

. Verão Claro
Entre todas as cartelas de verão, essa é a que possui tons mais vibrantes, como acrescenta Cleidson Marques. “A atriz do momento, Zendaya, da série Euphoria, se encaixa perfeitamente dentro desta cartela. Mulheres desta cartela podem abusar dos tons vibrantes e se aventurar em tecidos com texturas mais cintilantes como cetim, seda, tafetá”.

*

2. Outono
Essa é a coloração de tons escuros e suaves, alaranjados e marrons. A consultora de Imagem e Estilo Jéssica Leite (@ejessicaleite) mostra como essa cartela pode surpreender quem possui cabelos em tons de dourados médios, castanhos ou vermelhos.

Tons escuros, alaranjados e marrons fazem parte da cartela outono, como pontua Jéssica Leite (Foto: Divulgação)

. Outono Puro
É uma paleta de cores quentes, escuras e suaves com lugar para muitos tons terrosos, e alegres. “Passa uma imagem de dinamismo. Pessoas dessa cartela são cheias de vitalidade e ficam muito bem com tons terrosos e amadeirados. Looks nas cores verde amarelado, amarelo, laranja, dourado, vermelho alaranjado e marrom favorecem belezas dessa paleta. Apesar dessa estação ser suave, de todos os outonos esse é o mais vivo”, afirma.

. Outono Suave
Por ser uma paleta que sofre influência do Verão Suave, Jéssica esclarece que essa é a versão mais clara entre todos os outonos. “Por isso, o Outono Suave é composto por cores opacas e quentes, que transmitem elegância e calma. Possui tons com aspecto ‘queimado’, são cores pouco saturadas. Looks em cores delicadas como pêssego, bege, cáqui e marrom são uma boa opção”.

. Outono Profundo
Chegamos na paleta onde mora a cor preta e outras cores escuras e quentes. “É importante que pessoas dessa cartela evitem usar roupas em candy colors e com tecidos brilhosos”, completa a consultora.

*

3. Inverno
A consultora de imagem Ana Luiza Romeu (@analuizaromeu.consultoria) destaca que as cartelas de inverno possuem tons puros, intensos, azulados, e assim como no outono, escuros. Geralmente, pessoas de inverno possuem cabelos escuros e acinzentados, olho preto, marrom escuro, azul ou verde esmeralda. “Maquiagens mais rosadas, metais prateados, cores profundas, frias e vivas, como o pink, por exemplo, valorizam ainda mais a beleza natural de quem possui essa cartela”.

Ana Luiza Romeu destaca que tons puros, intensos e azulados marcam presença na cartela de inverno (Foto: Divulgação)

. Inverno Puro
Também conhecido como inverno frio, aqui o destaque fica para as cores ainda mais azuladas dentro dos invernos, como reforça a especialista: “essa é a cartela onde a temperatura fria das cores é o mais importante”.

. Inverno Intenso
O inverno brilhante é o mais intenso, vivo e alegre dos invernos. “É a variação com as cores mais saturadas”, ressalta.

. Inverno Profundo
Já essa é a paleta dos tons mais sérios: “o inverno profundo ou escuro é uma cartela com cores bem fechadas e com um pouco menos de intensidade”.

*

4. Primavera
Cores mais iluminadas, brilhantes e quentes fazem parte da paleta de quem tem a coloração nessa cartela. Quem explica e dá algumas dicas agora é a consultora de imagem e estilo Tiana Dórea (@tianadoreaconsultoria), da Neuf.

Cores iluminadas, vibrantes e quentes fazem parte da cartela primavera, como explica Tiana Dórea (Foto: Divulgação)

. Primavera Pura
Diga oi para o amarelo ouro, vermelho aberto e laranja, como recomenda Tiana. “Entrando nas estações quentes, aqui temos a temperatura como principal ponto. As peles têm o subtom mais amarelado e os tons são intensos e relativamente mais claros”.

. Primavera Clara
Nesse caso, a profundidade clara é a característica principal, mesclando energia com leveza. “Tons como coral, verde limão e rosa chiclete são bons exemplos para compor o guarda-roupa”, comenta a especialista.

. Primavera Intensa
Bom, nessa paleta é hora de dar mais espaço para uma estação de tons saturados com fundo quente. “Ou seja, traga a intensidade da cor em primeiro plano e possui cores chamativas como pink, azul turquesa e o cítrico tangerina”.

***

QUATRO PERGUNTAS PARA DESCOBRIR O QUE LHE CAI BEM

1. Sua pele tem um fundo mais rosado ou amarelado?

2. Você fica melhor com cores claras ou com cores escuras?

3. Se sente mais à vontade com cores mais vivas, saturadas, brilhantes ou com cores suaves, opacas?

4. Prefere com cores frias (como o azul) ou com cores quentes (como o laranja)?

***

COMO SURGIU A COLORAÇÃO PESSOAL?
A análise começou na década de 1940 com Suzanne Caygill, estilista, maquiadora e artista plástica americana, que fez a mais profunda pesquisa de cores de pele até hoje. Seus estudos envolveram o visagismo de Philip Hallawell sobre a análise da cor da pele, passando por Johannes Itten, um dos maiores teóricos da cor, chegando até Robert Dorr, que criou o Color Key System, que classificou as cores em quentes e frias.

Harmonia da Cor
Em 1942, Suzanne Caygill organizou essas cores em quatro grupos – Primavera, Verão, Outono e Inverno –, sistema que chamou de Color Harmony (harmonia da cor). Porém, o assunto só ganhou destaque no mundo após a publicação do livro Color me Beautiful, de Carole Jackson, em 1987.

Correio 24hs

Deixe uma resposta