Pantanal entra na segunda fase com novo elenco e tensão entre pai e filho

Alanis Guillen e Juliana Paes são Juma e Maria Marruá

Sai Renato Góes e entra Marcos Palmeira para viver Zé Leôncio. No lugar de Bruna Linzmeyer, chega Karine Teles, para interpretar Madeleine. Dira Paes substitui Leticia Salles como Filó. Essas são algumas mudanças de Pantanal, novela das nove da Globo que entra nesta terça-feira (12) em sua segunda fase.

E a emissora, que apostou alto no remake do clássico de Benedito Ruy Barbosa, está celebrando o sucesso da novela: segundo o site Na Telinha, o décimo capítulo, exibido na quinta-feira da semana passada, teve 29,4 pontos de audiência, cifra que não era registrada desde o último episódio da reexibição de Império, que foi ao ar em 5 de novembro de 2021. Em seguida, a Globo exibiu a então inédita Um Lugar Ao Sol, que em sua noite final teve apenas 25 pontos.

Jesuita Barbosa é Jove (Foto: João Miguel Junior/TV Globo/Divulgação)

Jove
Na nova fase, Jove – o filho de Zé Leôncio -, interpretado por Jesuíta Barbosa, cresceu acreditando que seu pai está morto, como lhe contou sua mãe, Madeleine.

Passam-se 20 anos, sem que pai e filho tenham qualquer tipo de relação. Agora, Jove é um jovem que não se relaciona bem com a mãe, Madeleine, e que tem uma relação de afeto importante com a tia Irma (Camila Morgado). Ele não sabe sequer que é às custas do pai que mantém todos os seus caprichos de uma vida sem restrições no Rio de Janeiro.

Em entrevista coletiva pela internet, Jesuíta falou da emoção que foi ter a chance de estar em Pantanal: "É uma novela referência. Quando saiu a notícia de que seria feita uma nova novela, fiquei interessado, principalmente por causa da figura da Juma, que é esse pilar, que acho que representa os braços de outros personagens. Fiquei interessado pela delicadeza de Jove, pelo confronto com o pai, porque eu também estou sempre tentando resolver isso em minha cabeça".

Marcos Palmeira é Zé Leôncio, papel que foi de Claudio Marzo (foto: Fabio Rocha/divulgação)

Juma
Juma, a emblemática personagem que consagrou Cristiana Oliveira como estrela nacional na primeira versão da novela, em 1990, será vivida agora por Alanis Guillen, que viveu Rita em Malhação: Toda Forma de Amar, exibida em 2019/20. "A preparação para viver Juma é um processo diário, que começou desde o teste, quando recebi a personagem. Fui investigando o universo pantaneiro, investigando sobre as onças… E ir ao Pantanal foi essencial para descobrir mais sobre ela e sobre todo esse universo".

A passagem para a segunda fase tem um marco, que é a morte de Maria Marruá, mãe de Juma, vivida por Juliana Paes. A atriz, uma das musas da TV brasileira contemporânea, chamou a atenção por apresentar um visual diferente daquele a que os espectadores se acostumaram a ver. Longe de qualquer glamour dos personagens urbanos que viveu, Maria Marruá apresentava olheiras e rugas, resultado da vida sofrida e da perda de três filhos.

A atriz disse que lidou bem com isso e não se preocupou com a vaidade: "A gente vive esse universo às vezes muito estético e eu tenho recebido muitas perguntas nesse sentido: de como é se ver envelhecida ou maltratada. Parece que o espírito da pergunta vem no sentido de 'como é fazer esse esforço", comentou a atriz. "Não é esforço nenhum, muito pelo contrário. É gratificante poder abrir mão da vaidade, da estética vigente. E, mais do que abrir mão, ver beleza nisso. Eu vejo beleza nisso: nas olheiras, no cabelo branco, vejo poesia nessas marcas do tempo".

Marcos Palmeira, que viveu Tadeu na versão anterior, disse que o novo trabalho, agora como Zé Leôncio, é uma virada na carreira. "Mas é uma nova novela, não tem nada a ver com aquela. Por mais que eu dedique esse trabalho ao Cláudio [Cláudio Marzo, que viveu Leôncio na versão da TV Manchete], o meu não tem ligação nenhuma com o dele".

Correio 24hs

Deixe uma resposta