O inimigo agora é outro? A cada rodada o Vitória vê distância para o G4 aumentar e para o Z4 diminuir

Leão está apenas dois pontos acima da zona de rebaixamento e sete abaixo do grupo de acesso à Série A.

No início da temporada 2020 o torcedor do Leão tinha motivos para estar motivado, afinal o clube estava montando um time com jogadores que foram destaques em seus times na temporada passada (caso de Alisson Farias no CRB, Fernando Neto no Paraná e Vico na Ponte Preta), além de ter conseguido manter atletas que foram destaques do próprio Vitória, como é o caso de Thiago Carleto.

No início do ano, o discurso era de conquistar o acesso para a Série A, ser campeão baiano e ter uma boa campanha na Copa do Nordeste. A estratégia adotada pelo presidente Paulo Carneiro foi de utilizar o elenco principal na Copa do Brasil e na Copa do Nordeste, que eram os campeonatos mais importantes, e o elenco sub-23 no Baianão, já que o calendário de jogos era bastante apertado.

O início do Leão no Nordestão foi promissor, afinal antes da pausa causada pela pandemia da Covid-19 o elenco principal estava invicto na Copa do Nordeste e havia se classificado para a terceira fase da Copa do Brasil. Porém veio a pandemia, a pausa no futebol mundial e aproximadamente quatro meses com os atletas realizando apenas treinamentos caseiros.

A pandemia acarretou no fim do time sub-23, por motivos financeiros, alguns atletas subiram para o time principal, outros desceram para o sub-20 e outros tiveram seus contratos rescindidos. O Vitória disputou todas competições com seu elenco principal, e os resultados não foram bons, em duas partidas do Baianão consegui apenas dois empates e sequer se classificou para a segunda fase, já no Nordestão se classificou para a segunda fase, mas perdeu para o Ceará em jogo muito fraco tecnicamente da equipe até então comandada por Bruno Pivetti.

Então veio o Brasileirão, apesar de um início com boa pontuação, sempre rondando o G4 (apesar de ter entrando no grupo de acesso apenas em uma rodada), a principal crítica era em relação ao desempenho do time, que era muito abaixo do esperado. O que era esperado aconteceu, o treinador Bruno Pivetti foi demitido após a derrota por 2×1 para o América-MG no Barradão.

Pivetti foi demitido em meio a uma sequência que o Leão teve quatro de cinco jogos no Barradão, mas ganhou apenas o primeiro, por 3×1 de virada, contra o lanterna da Série B, o Oeste. Os demais três jogos em casa, contra CSA, América-MG e Avaí terminaram em derrotas (o último já sob comando de Eduardo Barroca). A sequência, que era vista como a chance do Vitória finalmente entrar no G4 e se consolidar como um dos favoritos para o acesso teve efeito contrário, jogou o time para a segunda página da tabela poucos pontos acima do Z4.

No momento, o Vitória está numa sequência de seis jogos sem vencer, sob o comando de Eduardo Barroca, que assumiu um dia após a demissão de Bruno Pivetti, o time tem três jogos, com duas derrotas e um empate. Com 20 pontos na tabela de classificação, na 13ª posição, o Vitória precisa de uma campanha com 15 vitória em 21 partidas, ou seja, ter um aproveitamento de 71,4%, para sonhar com um possível acesso, tendo em vista que o “número mágico” para garantir o G4 é de 65 pontos. Varela

Deixe uma resposta