Morre irmã Maria Alice, fundadora do Colégio ISBA, de covid-19

Personagem marcante na vida de todos os alunos e colaboradores que passaram pelo antigo Colégio ISBA, em Salvador, a freira, professora e missionária Irmã Maria Alice Teixeira da Silva, de 96 anos, faleceu no último domingo (27), no Rio de Janeiro, após complicações da covid-19.

A informação da morte foi divulgada, inicialmente, pelo perfil do Unisba, na segunda-feira (28). “Com profundo pesar, comunicamos o falecimento da Irmã Maria Alice Teixeira da Silva, fundadora da Faculdade Social da Bahia (atualmente Centro Universitário Unisba), em 2001, e do Instituto Social da Bahia (Colégio ISBA), em 1964, as quais dirigiu até 2009, contribuindo decisivamente para sua consolidação. Uma mulher forte, vanguardista, revolucionária, doce e determinada, que muito fez pela educação na Bahia. O seu legado jamais será esquecido e é um exemplo a ser seguido”, informava a nota, que também prestou condolências a familiares e amigos.

Irmã Maria Alice, fundadora do Isba (Foto: Reprodução)

Nesta quarta (30), o Alô Alô Bahia confirmou a causa da morte com a professora Margareth Passos. “Maria Alice sentiu desconforto respiratório na última sexta-feira, sendo internada no mesmo dia na Casa de Saúde São José em Botafogo, no Rio de Janeiro. Testou positivo para Covid e faleceu no domingo em virtude de agravamento respiratório provocado pela Covid. Já havia recebido todas as doses da vacina e vivia em isolamento”, explicou Margareth Passos, última diretora da tradicional escola no bairro de Ondina e ex-reitora do Unisba. O sepultamento ocorreu em um cemitério do Rio, na segunda.

No próximo sábado (2), a partir das 15h, será realizada a Missa de Sétimo Dia da Irmã Maria Alice, que era natural de Loivos da Ribeira, em Porto, Portugal. A cerimônia será realizada no Santuário Nossa Senhora Educadora, na Rua Senta Pua, 96, Ondina (anexo ao antigo Colégio ISBA).
Saudade
No perfil ISBA Eterno (@eternoisba), dezenas de ex-alunos prestaram homenagens à educadora. “Uma pessoa ímpar que deixou um legado maravilhoso! Quem estudou no Isba e teve a oportunidade de conhecer e conviver com ela sabe a grandiosidade dessa mulher guerreira! Descanse em paz!”, afirmou uma ex-aluna. “Maravilhosa. Impossível esquecer ela indo, de sala em sala, entregar os boletins. Nada seria sem ela”, declarou outra.

O professor Eduardo Mattedi, também em contato com o Alô Alô, lembrou de uma das passagens bíblicas preferidas da Irmã Maria Alice. “Ela gostava muito destes versículos do Salmo 8: ‘Deus, Senhor nosso, como é poderoso o teu nome em toda a terra! (…) Quando contemplo o céu, obra dos seus dedos, a lua e as estrelas que fixastes… O que é o homem, para dele te lembrares? O ser humano, para que o visites?”, citou Mattedi, ao lembrar que a professora usou os trechos “algumas vezes em falas, quando recebia homenagens, como comenda, título de cidadã…”.

Legado e reconhecimento
O título de Cidadã Baiana à portuguesa, por sinal, veio em 2005, concedido pela Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA). Uma das mais altas condecorações do estado, o título é concedido a personalidades nascidas fora da Bahia com relevante contribuição para o desenvolvimento social, econômico, político e cultural do Estado.

Antes, em 1991, ela já havia recebido a Comenda Maria Quitéria, atribuída, pela Câmara Municipal de Salvador, a mulheres com atuação de destaque em prol da capital baiana, e entregue em cerimônia durante as comemorações pela Independência da Bahia.

Além de ter fundado o Instituto Social da Bahia (ISBA), também esteve à frente da criação da Escola Pio XII; do Curso de Suplência de 1º e 2º grau; da Escola Superior de Fé e Catequese Lúmen Christi; e da Faculdade Social da Bahia (FSBA). Professora concursada do Estado, ainda lecionou no Colégio Severino Vieira, no Colégio da Bahia (Central) e na Aliança Francesa.

“Em 96 anos de vida, esta portuguesa fez história na educação, sobretudo, da Bahia e tornou-se um dos principais pilares da criação e da consolidação da Sociedade das Filhas do Coração de Maria no Brasil, congregação católica com raízes na França, na época da Revolução Francesa, e mais de oito décadas de atuação em território brasileiro, onde mantém obras assistenciais, educacionais e espirituais. (…) Viva a Maria! Viva a Irmã Maria Alice, que deixa registrado seu nome na nossa História”, destacou o Unisba.

Há exatos oito anos, a professora foi homenageada em uma cerimônia que marcou os 50 anos do colégio. "Quando falamos da história do ISBA, falamos da própria história da Irmã Maria Alice, pois ambas se confundem. Foi uma vida inteira de dedicação onde podemos dizer com convicção que o seu legado faz com que acreditemos que não é suficiente o preparo da inteligência, mas é absolutamente necessária a formação do coração", lembrou a mestre de cerimônia, na ocasião.

Leia mais no Alô Alô Bahia

Correio 24hs

Deixe uma resposta