Instituto Butantan conclui entrega de documentação pendente à Anvisa

Não há mais pendências na documentação enviada pelo Instituto Butantan sobre a Coronavac à Agência Reguladora de Vigilância Sanitária (Anvisa), segundo status do site do próprio órgão regulador. Isto significa que o Instituto entregou toda a documentação necessária para aprovação do uso emergencial do imunizante.

A confirmação acontece na manhã deste sábado, 16, faltando pouco mais de 24 horas para a reunião da diretoria colegiada da Anvisa começar a decidir sobre a aprovação do uso emergencial das vacinas de Oxford e Coronavac, desenvolvidas no Brasil pela Fundação Oswaldo Cruz e pelo Instituto Butantan, respectivamente.

Em relação à Fiocruz, a fundação conseguiu concluir o envio da documentação na sexta-feira, 15.

Trabalhos acelerados

Com a entrega das últimas informações sobre as vacinas do Instituto Butantan e da Fiocruz, a Anvisa intensificou os trabalhos neste sábado.

Os dados finais chegaram praticamente 24 horas antes da reunião que vai definir o futuro das vacinas, que está marcada para este domingo de manhã, 17. Até o momento, a análise de todo o conjunto de informações está pela metade, em ambos os casos.

Vacina vindo da índia

O voo que partiria para a Índia para buscar dois milhões de doses para iniciar a campanha de vacinação no país deve atrasar “de um ou dois dias”. O anúncio foi feito pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que atribuiu o novo atraso a “pressões políticas” sobre o governo do primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, para priorizar a vacinação dos habitantes do país asiático, que começará neste sábado, 16.

A Índia “é um país com 1 bilhão [de habitantes]. Então, resolvesse aí atrasar um ou dois dias até que o povo comece a ser vacinado lá. Porque lá também tem as pressões políticas de um lado e de outro”, disse Bolsonaro em entrevista por telefone à TV Band.

“Isso daí no meu entender, daqui a dois ou três dias no máximo, nosso avião vai partir e vai trazer essas dois milhões de vacinas para cá”, disse, se referindo à vacina elaborada pela AstraZeneca / Oxford em conjunto com a Fundação Fiocruz e produzida em Bombaim pelo instituto Serum.

Deixe uma resposta