Homem é preso após estuprar mulher em ‘ritual’ para garantir amor do marido

Um homem foi preso, nesta quarta-feira (27), por violência sexual mediante fraude contra uma mulher, em Nova Friburgo, no Rio de Janeiro. De acordo com a denúncia do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), o homem atraiu a vítima para a sua residência e, a pretexto de realizar um ritual que ajudaria a restabelecer o amor no casamento da mulher, consumou o ato sexual induzindo a vítima a acreditar que a prática seria necessária ao ritual.

O crime aconteceu no último sábado (23). O denunciado, que era vizinho do casal havia uma semana, bateu à porta da residência oferecendo seus serviços, alegando que a mulher estava com espíritos malignos no corpo. Sendo assim, afirmou que poderia realizar um ritual em sua residência com a mulher, sob o custo de R$ 1,5 mil, a serem pagos futuramente.

A vítima dirigiu-se, então, à casa do homem, que sob o pretexto de realizar o ritual para que o marido da vítima passasse a apenas lhe desejar, não se interessando por nenhuma outra mulher, a violentou.

Mais tarde, no mesmo dia, o denunciado tentou realizar o mesmo procedimento criminoso com a mãe da vítima, sob a alegação de que ela também estaria com espíritos malignos em seu corpo. A mulher, porém, percebendo tratar-se de uma prática delituosa, conseguiu se desvencilhar do criminoso, que chegou a agarrar-lhe e abraçar-lhe por trás.

Após ter ciência do que se passou com a sua mãe, a vítima, então, percebeu que tinha sido vítima de crime contra a liberdade sexual, se dirigindo, com o marido, à Delegacia de Atendimento à Mulher (DEAM) de Nova Friburgo, para noticiar o fato.

Em sua decisão, o juiz Marcelo Alberto Chaves Villas, da 1ª Vara Criminal de Nova Friburgo, destacou que o denunciado, em depoimento à polícia, admitiu que cometeu o crime, corroborando a narrativa das vítimas. “Dessa forma, as declarações das testemunhas e do acusado, além das provas produzidas e da dinâmica dos fatos, apontam para indícios suficientes do cometimento de violação sexual mediante fraude por parte do acusado, que teria se utilizado do engodo narrado para satisfazer a sua lascívia, violando sexualmente a vítima”, diz um dos trechos da decisão.

Correio 24hs

Deixe uma resposta