Ex-ministro Eduardo Pazuello sofre acidente de moto no Rio

Ex-ministro da Saúde sofreu contusões nas costas e no ombro e foi levado ao Hospital Central do Exército, onde permanece internado. Quadro de saúde é estável e sem ‘risco de morte’, segundo a unidade de saúde.

Rio – O ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, de 58 anos, sofreu um acidente de motocicleta na noite de Natal, sexta-feira (24), na Praça da Bandeira. Na queda, Pazuello sofreu lesões nas costas, tórax e no ombro direito, de acordo com os bombeiros que prestaram o socorro. Ele foi levado ao Hospital Central do Exército, em Benfica. O quadro de saúde é estável, sem risco de morte.A queda de moto aconteceu por volta das 23h30, na Avenida Paulo de Frontin, próximo à subida do elevado. Os bombeiros do quartel central foram chamados às 23h37. Segundo testemunhas, Pazuello caiu ao desviar de um automóvel para não colidir.Em nota, o Exército Brasileiro afirmou que médicos do hospital militar constataram “fratura na clavícula direita” e em “arco costal”, ossos na altura do tórax. Pazuello permanece internado em observação e tem quadro de saúde estável, “não correndo risco de morte”, segundo a corporação.

Militar de carreira, Pazuello foi ministro no momento mais crítico da pandemia
General do Exército, Eduardo Pazuello foi efetivado como ministro da Saúde em setembro de 2020, durante um dos momentos mais críticos do governo federal na condução da pandemia. Antes, haviam deixado o cargo Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich. Aliado de primeira hora de Jair Bolsonaro, Pazuello era o líder da pasta nos momentos mais críticos da covid-19 no Brasil, tanto na alta taxa de mortes, no início de 2021, quanto na compra das vacinas, investigada pela CPI meses depois. 

Pressionado, Eduardo Pazuello deixou o cargo em março, substituído por Marcelo Queiroga. O general foi nomeado assessor na Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos (SAE) depois de sua saída. Em maio, foi ouvido por dois dias pelo Senado Federal na CPI da Covid, que investigou omissões do governo e a demora na compra de imunizantes.

O Dia

Deixe uma resposta