ESG é prioridade para empresas de base florestal

Maria José Almeida de Jesus: ela é uma ecoagente, que faz parte do projeto Ecomunidade.

Fundamental para o desenvolvimento sustentável da agroindústria brasileira, o setor de base florestal já garantiu investimentos da ordem de R$ 35,5 bilhões no país até 2023, de acordo com dados da Indústria Brasileira de Árvores (Ibá). Além da importância econômica, as companhias deste segmento investem, cada vez mais, em políticas e práticas de ESG (Ambiental, Social e de Governança, traduzido do inglês).

Na última quarta-feira (4), o diretor-geral da Bracell Bahia, Guilherme Araújo, assinou um termo de cooperação mútua, juntamente com a secretária estadual do Meio Ambiente, Márcia Telles, cujo objetivo é executar ações voltadas à proteção da biodiversidade em Unidades de Conservação (UCs) de Mata Atântica no estado, como os Cânions do Subaé e a bacia do rio Subaúma.

A iniciativa da companhia está alinhada à estratégia de negócio da empresa, que tem como um de seus objetivos centrais reforçar a importância das boas práticas para a proteção da biodiversidade. Com validade inicial de cinco anos e possibilidade de prorrogação, o acordo buscará salvaguardar o patrimônio natural, preservar os recursos hídricos e proteger espécies da fauna e da flora.
O diretor-geral da Bracell Bahia, Guilherme Araújo, destaca que a companhia está alinhada com os critérios ESG e os reconhece como um componente crítico tanto na estratégia quanto na agenda de negócios da empresa.

“Temos em mente que somos uma indústria essencial por fornecer matérias-primas para diversos insumos necessários à bilhões de pessoas, e essa percepção nos conduz a atuar fortemente conectados com os aspectos ambientais, sociais e de governança que orientam diariamente nossos processos produtivos florestais e industriais” – Guilherme Araújo, diretor-geral da Bracell Bahia.

No âmbito social, destaque para o Projeto Educação Continuada, que propicia qualificação profissional para educadores e gestores da rede pública de nove municípios: Alagoinhas, Acajutiba, Aramari, Cardeal da Silva, Conde, Esplanada, Entre Rios, Itanagra e Inhambupe, aprimorando as práticas educacionais por meio da implantação e do fortalecimento da política Municipal de Formação Continuada.
Na esfera da governança, a Bracell (assim como as demais empresas do Grupo RGE) adota o chamado “Propósito 5C”, que se refere ao compromisso de atuar de modo que o negócio seja bom para a comunidade (community), o país (country), o clima (climate) e o cliente (costumer), pois somente assim será positivo para a empresa (company).

Mariana Lisbôa, presidente da Associação Baiana das Empresas de Base Florestal (ABAF) e líder global de Relações Corporativas da Suzano S/A. (Foto: Divulgação/Suzano)

Restauração florestal
A Suzano atua estrategicamente na implantação de corredores de biodiversidade em áreas naturais de atuação da empresa e fora dela. O objetivo é criar uma rede de Unidades de Conservação, além de proteger e conservar áreas prioritárias nos biomas da Mata Atlântica, Cerrado e Amazônia. Na Bahia, mais de 10 mil hectares de mata nativa já foram recuperados e a previsão para 2022 é de recuperação de 863 hectares. A ação faz parte das metas em longo prazo da companhia.
Nas dimensões de governança e social, a Suzano atua de forma colaborativa com a comunidade, ao ampliar o acesso à educação e apoiar associações e cooperativas parceiras. A empresa desenvolve um trabalho com 184 comunidades em Mucuri (BA), com programas de geração de renda que beneficiam diretamente e indiretamente mais de 6,7 mil pessoas.

Geração de renda
Ao todo, 68 associações/cooperativas são atendidas pelos programas de geração de renda desenvolvidos pela empresa, como o Programa Colmeias, que fortalece a cadeia apícola das regiões de atuação da empresa e contribui para a conservação do meio ambiente; o engajamento com as Comunidades Pesqueiras, que promove ações que impulsionam a produção de produtos de pesca; e a Associação Comunitária Golfinho, que fortalece cultura local por meio da produção de artesanatos diversos e de ações educativas com crianças, adolescentes e jovens.

“Renovar nossa forma de produzir, consumir e como nos relacionamos com a natureza é um valor para nós, da Suzano. O desenvolvimento de ações pautadas na sustentabilidade econômica, ambiental e social, e o fortalecimento do protagonismo social com as comunidades próximas das nossas operações na Bahia são iniciativas que reforçam o propósito de plantar o futuro, promovendo uma mudança positiva na sociedade” – Mariana Lisbôa, líder global de Relações Corporativas da Suzano.

Na quinta-feira (12), o Jornal CORREIO e o portal Alô Alô Bahia promovem o I Fórum ESG Salvador, no Porto de Salvador. Inscreva-se gratuitamente aqui: bit.ly/ForumESGSalvador.

O I Fórum ESG Salvador é um projeto realizado pelo Jornal Correio e Alô Alô Bahia com o patrocínio da Acelen, Unipar, Yamana Gold, Bracell, BAMIN, Socializa e Suzano, apoio institucional da Prefeitura Municipal de Salvador e Sebrae, apoio de Contermas, Battre, Termoverde, Terra Forte, Hela, Retec, Ciclick, Larco e Grupo Lemos Passos, parceria de Vini Figueira Gastronomia, Fernanda Brinço Produção e Decoração, Uranus2 e TD Produções.


O Estúdio Correio produz conteúdo sob medida para marcas, em diferentes plataformas.

Correio 24hs

Deixe uma resposta