Bolsonaro sobe tom e chama candidato petista de “pior secretário do Brasil”

O Pior do Brasil
Chamado pelo presidente Jair Bolsonaro de pior secretário da Educação do Brasil, Jerônimo Rodrigues sentiu o golpe. Em suas redes sociais, tentou justificar o injustificável: “iniciamos uma revolução na educação”. Mas que revolução, quando a Bahia tem o pior ensino médio, de acordo com o IDEB, e também ocupa a última posição em educação à distância durante a pandemia? São questões como essa que Jerônimo terá que explicar.

Se o apelido pegar…
Jerônimo sabe, segundo aliados, que os apelidos costumam pegar quando a pessoa não é conhecida. E é esse o grande medo do pré-candidato petista. “Como ele vai construir uma imagem viável se a alcunha de pior secretário de educação do Brasil pegar?”, questiona um deputado federal petista.

Tic tac
Um político baiano, em fim de mandato, tem tido ataques de fúria todas as manhãs quando acorda. Olha para o calendário e sofre com a contagem regressiva do seu mandato. Assessores já foram orientados a não tocar no assunto com ele. No começo da semana, ele arrancou da parede uma folhinha que lembrava que o ano passava rápido, rasgou e jogou no chão.

O sem Palácio
À medida que o tempo avança, o governador Rui Costa (PT) vê chegar perto o fantasma de tornar-se um ex. O que incomoda o petista não é só deixar de morar no Palácio de Ondina, mas é a vingança dos companheiros de partido que não perdoam o tratamento que sofreram dele por 8 anos. Aliás, não só do PT, mas também aliados de partidos da base, que deram a Rui alcunhas das mais maldosas possíveis, algumas delas impublicáveis.

Rebelião dos prefeitos
Nesta semana, relatos de prefeitos insatisfeitos começaram a intensificar. Em Gongogi, o prefeito Adriano Mendonça, do PSD (hoje o maior partido da base petista), disse que passou cinco anos tentando ser recebido e cansou. Quando Rui soube que o pré-candidato ao governo ACM Neto iria ao município, fez de tudo para falar com o prefeito, mas o troco já estava preparado e foi dado: Mendonça anunciou apoio a Neto e disparou contra Rui: "Tem de abraçar o povo nos quatro anos da administração e não às vésperas das eleições. Agora não adianta prometer mais nada". No final de semana, outro que declarou apoio a Neto foi o prefeito de Jandaíra, Adilson Leite, do Avante, partido da base de Rui.

Perseguição
Quem também soltou o verbo foi o prefeito de Xique-Xique, Reinaldo Braga Filho (MDB), que acusou Rui de perseguição aos gestores municipais que integram partidos da oposição. Apoiador de Neto, ele disse nunca ter sido chamado pelo governo nem recebido na Governadoria. "Isso é coisa político ruim, coisa da má política, que faz mal para a população. Isso não é nem um pouco democrático nem republicano", disparou.

Preocupação tripla
Na base petista, caciques avaliam que são três as principais preocupações de Rui. A primeira é que o PT perca o comando do governo do estado, derrota que será creditada "toda na conta de Rui" pela cúpula petista e pela base aliada. Em segundo está o "medo do abandono" do governador ao ficar sem mandato, uma vez que não é novidade para ninguém que Rui se tornou persona non grata por seu tratamento grosseiro com os aliados. Por fim, parlamentares contaram que o governador tem relatado preocupação com o crescimento do presidente Jair Bolsonaro nas pesquisas na disputa contra o ex-presidente Lula, com quem Rui conta para ser ministro – cargo, inclusive, que não está tão certo quanto o governador acredita.

V de vingança
Entre deputados, há uma certa "sede de vingança". Recentemente, um deputado estadual da base confessou a um colega que está contando os segundos para ver Rui sem mandato. Ele disse que, desde o início do segundo mandato do governador, não conseguiu nenhuma audiência e, para falar com o petista, teve que ir a dois eventos no interior.

Escorado
Deputados da base petista comentam que o governador Rui Costa (PT) nunca ganhou eleição com suas próprias pernas, mas sim graças ao apoio do senador Jaques Wagner (PT), inclusive para vereador ou para deputado. Em 2006, recordam, Rui perdeu a eleição para deputado federal e só foi eleito em 2010 porque Wagner quis. Para o governo, em 2014, é unanimidade na base que a vitória só aconteceu graças ao senador petista. Lembram ainda que as últimas investidas capitaneadas por Rui terminaram com vitórias acachapantes do grupo de ACM Neto – em 2020, Bruno Reis venceu no primeiro turno com maior percentual do país a candidata de Rui, Major Denice.

Pesquisa fake
Nos bastidores da política baiana, caciques consideram "o cúmulo do desespero" a tal pesquisa citada por Rui que coloca seu candidato, Jerônimo Rodrigues, na frente de ACM Neto. Tanto é que poucos integrantes do grupo celebraram o tal levantamento que Rui disse ter feito. Na verdade, pontuam integrantes da base, os números das pesquisas feitas não são nada animadores para o grupo, nem mesmo naquelas feitas a pedido do Palácio de Ondina.

DataRui
No Extremo Sul da Bahia, a tal pesquisa do "DataRui" virou motivo de piada. Isso porque, pontuam políticos que atuam na região, além de Jerônimo ser totalmente desconhecido, Rui não conseguiu eleger nenhum prefeito nos municípios do território. Em Teixeira de Freitas e Eunápolis, maiores cidades da região, os nomes de Rui foram derrotados por candidatos apoiados por ACM Neto. "É hoje a região mais antipetista da Bahia, ao lado do Oeste", complementa um deputado.

Ele lá e eu cá
Neste cenário, deputados da base têm relatado preocupação de se vincularem com Jerônimo. Um grupo de deputados estaduais já avisou que, nas andanças pelo interior, usam somente a imagem de Lula, mas não de Jerônimo. "Quando você mostra a foto ninguém sabe quem é", conta um deles. Contudo, há uma pressão do Palácio de Ondina para que os parlamentares propaguem o escolhido petista para a disputa. Por enquanto, a pressão não tem surtido efeito.

Correio 24hs

Deixe uma resposta