Baiana e fitness: confeitaria fit de Feira de Santana se lança no mercado de franquias

Lilla Bastos deixou o emprego de enfermeira e se tornou uma empresária de sucesso

Sem glúten, sem açúcar e sem lactose. Dá para pensar em uma confeitaria assim? Olhe que ela existe e ainda por cima é baiana. Tudo começou em 2018, quando a enfermeira Lilla Bastos passou a testar na cozinha de casa, receitas fitness de doces e salgados. Até que passou a receber muitos pedidos de outras pessoas que também tinham a mesma necessidade que ela: comer doce sem culpa.

“Eu fazia para mim, mas quando publiquei nas redes sociais, muitos amigos me pediram muito para vender. Logo eu entendi que poderia ajudar as pessoas a transformarem suas vidas através de uma alimentação saudável e saborosa. Em seguida, recebi um convite de uma loja de produtos naturais para colocar uma lanchonete no estabelecimento. Quando vi, eu tinha uma empresa”, afirma.

E aí, nasceu a SouFit (@soufitoficial). Enfermeira concursada há 13 anos, Lilla trabalhava em três unidades de saúde nos municípios de Feira de Santana, Camaçari e Candeias. Pediu demissão e se jogou com tudo no universo da alimentação lowcarb e saudável.

“Vivia muito cansada e longe da minha família, não me sentia feliz. Eu ficava muito triste com a falta de estrutura nas unidades públicas de saúde. Isso foi me deprimindo e cheguei a desenvolver um quadro de ansiedade. O empreendedorismo me fez reviver e eu doei tudo de mim nesse projeto”, revela.

Quatro anos depois, a SouFit alcançou um ganho de R$ 500 mil por ano e está localizada em uma das avenidas principais de Feira, onde funcionam a fábrica e a loja conceito. Além disso, ela está presente em 10 cidades, com 30 unidades, e conta também com mais 15 revendedoras. A marca agora vive um novo momento de expansão e prepara o seu lançamento no segmento de franquias.

No plano também está a abertura da primeira loja própria em Salvador, que já está com projeto pronto. Com as novas unidades, a expectativa é alcançar um faturamento de R$ 1 milhão até o final do ano. “Estamos aqui para provar que o alimento pode ser saudável, nutritivo e muito gostoso e que a pessoa pode comer um produto fit sem medo de ser feliz. Antes mesmo do lançamento da franquia no mês de julho, já temos, no mínimo, cinco unidades que serão avaliadas e estudadas”, diz.

A SouFit conta com uma assessoria especializada para desenvolver o formato do modelo da franquia, porém, Lilla é quem está à frente de todo processo de criação dos produtos. “Entendo a minha e a necessidade dos meus clientes. Por isso, sou responsável por todas as criações. Após essa etapa, a ficha técnica é encaminhada à nutricionista, que faz toda análise e elaboração da tabela nutricional, que dá a garantia e os detalhes do produto. A partir daí, fazemos o treinamento das cozinheiras e a padronização da receita que é totalmente artesanal, o que facilita, inclusive, a replicação e garante o nosso padrão de qualidade”, explica.

Ainda sobre o formato de franquia, o valor do investimento vai variar em função do tamanho do ponto comercial e do seu estado de conservação. O total gira em torno de R$ 150 mil a R$ 180 mil.

Tendência
Na pandemia, o faturamento da marca cresceu 80%. A SouFit produz atualmente 4 mil itens por mês. No cardápio, além dos doces fit – entre eles, tortas de pote e sorvete saudável – tem também salgados (pastéis, coxinhas, quiches), pães, saladas e refeições como lasanha, risoto e estrogonofe. O ticket médio (consumo) por cliente varia de R$ 50 a R$ 250.

“O doce sempre conquista o coração de muita gente. Nosso público é aquele que quer mudar sua alimentação, em processo de reeducação alimentar ou que quer emagrecer e sem sofrer tanto nesse processo. Recebemos ainda muitos clientes com doenças crônicas como diabetes, hipertensão, obesidade, além dos celíacos e intolerantes”, destaca.

O efeito pandemia do autocuidado, da preocupação com a saúde e com hábitos saudáveis fez explodir a demanda de um mercado que já era promissor. “A descoberta do saudável e o aumento de incidência de pessoas com doenças crônicas e com restrições alimentares mostra o grande potencial do mercado de alimentos e bebidas saudáveis”, completa Lilla.

Segundo a pesquisa de Food Service 2021, em parceria da Associação Brasileira de Franchising (ABF) com a consultoria especializada em alimentação Galunion, os modelos de franquia que mais ganharam força no mercado são as iniciativas com ofertas de produtos e serviços que propiciem saúde e bem-estar (50%) e alimentos vegetarianos (50%). Diretor Regional da ABF no Nordeste, Candido Espinheira ressalta que o mercado de alimentação fit veio para ficar e conquistar cada vez mais adeptos.

“Propagar a alimentação saudável é participar da transformação dos hábitos e disseminar bons exemplos sociais. Aliar o custo e o benefício de uma excelente comida saudável pode ser o diferencial. Já em relação aos seus parceiros franqueados, a marca que dissemina as práticas do bom franchising, com transparência, clareza e dando e suporte ao franqueado, vendo que ele não é um funcionário e sim um parceiro, tem longa vida e um diferencial competitivo”, avalia.

Correio 24hs

Deixe uma resposta