Bahia perde de novo para Defensa y Justicia e dá adeus à Sul-Americana

Diferente do que pregavam Claudinho e Buchecha, ‘nosso sonho’ vai terminar. ‘Nosso’, nesse caso, do Bahia, que perdeu novamente para o Defensa y Justicia, dessa vez por 1 a 0, e foi eliminado, na noite desta quarta-feira, 16, nas quartas de final da Sul-Americana. 

Precisando reverter um resultado de 3 a 2, construído pela equipe argentina na Fonte Nova, o Esquadrão até tentou ser efetivo no primeiro tempo, mas esbarrou na falta de competência e maturidade para disputar uma decisão. 

Rossi, expulso de forma vergonhosa no segundo tempo, personifica os adjetivos. Além do ato obsceno e irresponsável que culminou em sua saída do gramado, perdeu três chances seguidas de marcar  um gol no fim do primeiro tempo, que poderia dar ao time um gás para buscar o resultado. 

Mano Menezes,  considerado treinador exímio em jogos mata-mata, falhou principalmente nas substituições, e mais uma vez deu mostras de desgaste no comando do questionável elenco.  

Agora, o Bahia volta suas atenções de forma exclusiva ao Brasileirão. No próximo domingo, enfrenta o Flamengo, no Maracanã. É preciso se cuidar para não voltar a correr risco sério de rebaixamento.  

Ficou no quase

O Bahia demonstrou muita disposição para reverter o resultado no primeiro tempo. Não ofereceu grandes chances ao Defensa y Justicia – as melhores foram aos 12, com uma meia bicicleta malsucedida de Ríos, e aos 38, com Brian Romero, que chutou de esquerda para defesa de Douglas – e foi produtivo no ataque. 

Aos 9 minutos, Élber teve a primeira oportunidade. Cortou para a direita dentro da área e chutou cruzado, obrigando o goleiro Unsain a fazer sua primeira boa defesa na partida em solo argentino. 

Gregore, que foi efetivo na construção de jogadas, encontrou Índio Ramirez dentro da pequena área, aos 24 minutos. O meia girou, marcado, e chutou forte, mas a bola subiu demais. 

Outro destaque foi Élber, importante para puxar contra-ataques. Cavou dois cartões amarelos de jogadores do Defensa, que tiveram de parar jogadas em que o camisa 7 partiu em velocidade. Em outra delas, recebeu passe de Gregore na cara do gol, mas a bola veio forte, e ele perdeu na dividida para Unsain. 

Aos 34 minutos, Juninho Capixaba tabelou com Gilberto e chutou forte de esquerda. A bola passou perto da trave. A melhor oportunidade do Esquadrão viria aos 42 minutos. Rossi recebeu na pequena área e teve três chances seguidas de finalizar. A primeira parou no goleiro e na trave, a segunda e terceira nos zagueiros. 

Difícil entender

O Tricolor até que deu indícios no início da etapa final de que seguiria no mesmo ritmo. Logo aos 4 minutos, Juninho Capixaba encontrou Élber na entrada da área. O atacante avançou e chuta de bico para boa defesa de Unsain. 

Porém, alguns erros defensivos começaram a preocupar. Aos 10, Nino Paraíba entregou a bola para Pizini, dentro da ára, chutar forte de esquerda e isolar. Gilberto ainda teve boa chance aos 15 minutos, antes de tudo desmoronar. O centroavante recebeu bola enfiada de Rossi e chutou cruzado de direita, com perigo.  

Aos 17’, Clayson errou passe no campo de defesa, entregando nos pés de Paredes. O atacante encontrou Brian Romero, que girou e chutou para ótima defesa de Douglas. 

Aos 25’, Rossi foi expulso pelo gesto vergonhoso citado anteriormente. O juíz teve que consultar o VAR para mostrar o vermelho ao jogador. Quatro minutos mais tarde, foi a vez do Defensa y Justicia ficar com menos um. Acevedo fez falta desnecessária em Gregore e recebeu o segundo amarelo. 

O caixão tricolor seria fechado aos 41 minutos, por Brian Romero. O atacante recebeu excelente assistência de Walter Bou e, sozinho, tirou de Douglas com qualidade e decretou o fim de qualquer alegria que o Bahia pudesse dar ao seu torcedor em 2020. A Tarde

Deixe uma resposta