99% dos infectados pelo coronavírus geram anticorpos

Médicos e cientistas de todo o mundo estão à procura de super-heróis disfarçados de gente normal. São pessoas que, depois de infectadas pelo coronavírus, desenvolveram anticorpos de grande eficácia para neutralizar esse agente patogênico. Seu plasma sanguíneo é um dos possíveis tratamentos para salvar a vida de outros pacientes. Mas encontrar os melhores anticorpos é uma tarefa de dimensões cosmológicas. Cada pessoa tem mais de um bilhão de células imunológicas B, cada uma delas capaz de fabricar um tipo de anticorpo específico, único. Se isso se multiplicar pelos mais de quatro milhões de infectados que há em todo mundo, o resultado são quatro quatrilhões de possibilidades, 2.000 vezes mais que o número de estrelas em todo o universo.

Há alguns dias foram publicados os dados da maior pesquisa desse tipo já realizada até o momento. É uma análise de 1.343 pessoas de Nova York e arredores com infecções confirmadas ou suspeitas. A imensa maioria eram casos leves. Os resultados do trabalho revelam um dado tranquilizador: 99% dos 624 casos confirmados desenvolveram anticorpos contra o vírus SARS-Cov-2.

Embora dependa de cada caso e ainda não esteja demonstrado, é de se esperar que esses anticorpos confiram certa imunidade. A possibilidade de alguém se infectar duas vezes perde força. De fato, os principais defensores desta teoria, as autoridades sanitárias da Coreia do Sul, reconheceram que os 260 possíveis reinfectados que haviam sido detectados eram falsos positivos.

O estudo dos EUA ainda é preliminar e não foi revisto por especialistas independentes, mas seus autores, da Escola de Medicina do Hospital Monte Sinai, de Nova York, integram as equipes mais prestigiosas em seu campo e participam do ensaio clínico para tratar doentes da covid-19 com plasma hiperimune.

O mais promissor do trabalho é que a quantidade de anticorpos gerados é independente da idade, do sexo e da gravidade da doença: todos parecem produzir essas proteínas protetoras. Os pacientes mais graves geram inclusive mais anticorpos, conforme demonstrou um estudo preliminar na China com 175 pacientes, de modo que, teoricamente, estariam tão ou mais protegidos que os demais, raciocinam os autores do trabalho.

Outra derivada importante: as pessoas alcançam seu pico de produção de anticorpos 15 dias depois de terem desaparecido os sintomas, por isso se recomenda esperar umas duas semanas depois da recuperação para fazer um teste confiável, ou do contrário haverá falsos negativos. Talvez por isso estudos anteriores mostrem que algumas pessoas superam a doença sem terem gerado anticorpos, apontam os autores.

A quantidade de anticorpos em um paciente está correlacionada com a capacidade de neutralização do vírus por parte do seu plasma, conforme explicava a mesma equipe em um estudo prévio para demonstrar a validade de seu teste publicado na Nature Medicine. Os anticorpos se unem à proteína S que o vírus usa para penetrar nas células humanas e assim evitam novas infecções. Porém, o trabalho recorda que ainda não se sabe qual quantidade de anticorpos é necessária para garantir a imunidade, nem qual a sua capacidade neutralizadora, algo que deverá ser demonstrado a partir de agora.

“Isto demonstra finalmente algo que considerávamos evidente, mas que não pôde ser confirmado pela escassa fiabilidade dos testes”, explica Carmen Cámara, imunologista do Hospital La Paz (Madri) e secretária da Sociedade Espanhola de Imunologia. “A de Nova York é a corte de pessoas mais amplo que conhecemos até o momento, e foi feita com um teste absolutamente validado que tem uma efetividade de 92%. É algo que até agora, com os testes comerciais, era impossível, pois inclusive os que dizem ter uma eficiência de 80% na realidade oferecem 40%”, explica.

Um trabalho feito na China com 14 pacientes recuperados forneceu outro dado positivo: a maioria não só gera anticorpos neutralizadores (IgG), mas também linfócitos T capazes de destruir as células infectadas. “Em uma infecção, é vital destruir a fábrica de armamento, as células infectadas, e não só o armamento, as partículas virais”, explica a imunologista Margarida del Val, do CSCI (agência estatal de pesquisa cientifica da Espanha). Este estudo “é uma boa notícia”, ressalta, acrescentando que “por sorte o novo coronavírus não escapa de que se ative todo o armamento imunológico”.

Agora a grande incógnita é quanto dura a imunidade: meses, anos? A dura realidade é que só se saberá com o passar do tempo. Até então, só é possível traçar hipóteses baseadas no que se sabe sobre outros vírus. Os coronavírus humanos geneticamente mais parecidos com o novo SARS-CoV-2 são os da SARS e da MERS. Em ambos os casos, foram detectados anticorpos neutralizadores em pacientes até três anos depois da infecção. No caso do vírus da SARS continua havendo anticorpos neutralizadores após 13 anos. A dúvida é se continuam funcionando, algo difícil de responder.

A melhor forma de provar que um anticorpo funciona é colocá-lo para lutar contra o vírus num cultivo de células humanas sadias. Isto só pode ser feito em laboratórios de alta segurança ― nível P -3. “Na rotina hospitalar esse tipo de experimento é impensável, não temos P-3 e seria impossível analisar os anticorpos de cada paciente em um estudo deste tipo”, explica Cámara.

Outra opção é empregar animais humanizados que produzem a proteína ACE2, que o coronavírus usa para invadir nossas células. Isto é o que fez um grupo de cientistas chineses num estudo publicado esta semana na Science. Demonstraram que dois anticorpos isolados de um paciente foram capazes de reduzir o nível de vírus nos pulmões dos ratos, e um deles evitou lesões nestes órgãos. Outro trabalho, este preliminar, mostra dados de um paciente que gerou mais de 200 anticorpos diferentes contra o vírus, entre eles dois capazes de neutralizá-lo em 99%. Isto indica que a resposta imunológica é potente e específica para o novo vírus, pois esses mesmos anticorpos não se unem aos vírus da SARS ou da MERS, cuja proteína S é ligeiramente diferente na região que se une às células humanas, conhecida como domínio de ligação ao receptor (RBD, na sigla em inglês).

Na Espanha, a busca de soro hiperimune está começando agora. Até o momento, não se sabe quem podem ser os melhores doadores. Em um princípio, pensou-se que seriam jovens com uma forma leve da enfermidade, mas depois se comprovou que as pessoas mais idosas e graves desenvolvem mais anticorpos e têm mais potencial, explica Cristina Avendaño, farmacologista do Hospital Puerta de Hierro, nos arredores de Madri, que coordena um ensaio clínico com plasma hiperimune em 30 hospitais espanhóis. “Por enquanto temos pouco mais de 100 doadores e 61 pacientes, mas ainda devemos determinar a efetividade dos diferentes anticorpos”, explica. Para isso, José Alcamí, pesquisador do Centro Nacional de Microbiologia, concebeu uma maneira de evitar a necessidade de usar um laboratório de segurança máxima. Trata-se de empregar versões desativadas do vírus da Aids, incapazes de gerar a doença, às quais se acrescenta a proteína S do coronavírus em seu invólucro externo. Como se de um videogame se tratasse, esse pseudovírus e os anticorpos do plasma de cada paciente combatem numa espécie de dojo composto de células humanas saudáveis. Quanto menos células infectadas houver ao final do combate, mais efetivo será o soro. É por isso que, na Espanha, médicos buscam os super-heróis do coronavírus, cujo sangue poderia salvar vidas. Alcamí espera ter resultados no final deste mês. (El Paris)

Deixe uma resposta