Presidente da Associação de Delegados da Polícia Federal critica declaração de Bolsonaro sobre interferência no órgão

O presidente da Associação Nacional de Delegados da Polícia Federal, Edvandir Felix, participou do Simpósio de Combate à Corrupção na manhã desta quinta-feira (22), em Salvador. Em entrevista ao BNews, Edvandir comentou a importância do evento: “a importância do Simpósio é muito grande porque nós vamos reunir aqui pessoas extremamente experientes e capacitadas nessa áreas. Daqui devem sair algumas propostas e ideias para aprimoramento do combate à corrupção”.

O presidente afirmou que vê com preocupação as declarações do presidente Bolsonaro de que poderia interferir na Polícia Federal: “vemos com preocupação porque ele realmente tem poder de interferência, desde que apresente motivos técnicos, desde que siga os caminhos de praxe para proteção das instituição. No caso sa PF, o presidente tem o poder de nomear e exonerar o diretor-geral. Mas tem que se ter cuidado para não causar instabilidade institucional. Se ele apresenta motivos fortes de algum desvio dos integrantes da PF é aceitável. Se for [motivo] político, aí vai nos preocupar, pois a neutralidade político-partidária da PF é fundamental para que ela continue sendo enxergada como polícia pelo Estado”. 

Em relação ao pacote anticrime, explicou: “é como próprio Moro disse, que ele iria encaminhar e a Casa iria seguir o tempo dela. Só me preocupa que o Congresso prioorize o projeto de abuso de autoridade, que vai intimidar autoridades, em vez de se debruçar os temas que vão combater a criminalidade no Brasil”. Questionado se é contra o projeto de abuso de autoridade, Edvandir confirmou: “sim, porque ele traz crimes interpretativos, subjetivos, muito abertos que vão intimidar as autoridades que atuam no combate à criminalidade”.

BNews

Deixe uma resposta