Mais de 70 animais são resgatados após tragédia em Brumadinho

A Brigada Animal segue com o trabalho de resgate dos animais que foram atingidos pelo rompimento da barragem em Brumadinho, Minas Gerais. Até a última contagem, atualizada na sexta-feira, 1, houve 73 salvamentos de aves, répteis, equinos, bovinos, felinos e caninos.

A equipe, composta por veterinários, zootecnistas, voluntários e estudantes a região, resgatou dois patos, dois galos, oito galinhas, sete canários, cinco trinca-ferro, um azulão, um tico-tico, um cágado e um touro – todos em bom estado de saúde.

Outros animais ainda exigem cuidados especiais. Dos 33 cachorros salvos, quatro precisam de cuidados intensivos, três semi-intensivos e uma está prenha. Sete gatos foram resgatados, mas um filhotinho está em situação grave. Os cinco cavalos salvos até agora registraram presença de ectoparasitas e leves escoriações.

O trabalho está sendo coordenado pelo Conselho Regional de Medicina Veterinária de Minas Gerais (CRMV-MG). Os animais que não encontrarem seus tutores serão encaminhados para adoção. Eles estão sendo atendidos em um hospital improvisado em uma fazenda da região.

A Vale, empresa responsável pela barragem em Brumadinho, afirma que disponibilizou um helicóptero especializado para auxiliar no resgate dos animais. Em nota, a companhia explica que a aeronave tem as mesmas funções dos helicópteros utilizados no resgate de fauna terrestre pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Um dos equipamentos, uma espécie de cesta acoplada na área externa do helicóptero, é capaz de fazer o transporte de animais de pequeno e médio portes, com até 113kg.

Na quinta-feira, 31, o Conselho Regional de Medicina Veterinária de Minas Gerais encaminhou, em primeira mão ao E+, fotos e vídeos do resgate dos animais na região.

Para informações sobre animais em situação de risco e resgatados na região, ligue para os números 0800 0310831 (Alô Brumadinho), 0800 285 7000 (Alô Ferrovias) e 0800 821 5000.

Com informações do Estadão Conteúdo.

Deixe uma resposta