Alckmin diz que não é preciso correria para escolher vice

Horas após a oficialização da recusa do empresário Josué Alencar (PR) em ser vice na chapa de Geraldo Alckmin (PSDB), o presidenciável tucano disse nesta quinta-feira (26) que não é preciso haver correria para escolher um novo nome para ocupar o posto.

Alckmin disse que falou com Josué por telefone ainda na noite de quarta-feira (25). Na conversa, o mineiro não foi categórico, mas deu sinais de que não aceitaria ingressar na disputa como vice. A decisão só foi oficializada no final da manhã desta quinta, por carta.

“Vamos nos debruçar agora sobre isso, mas sem correria. Tem uma semana para a gente definir”, disse Alckmin, adotando como data limite o dia 4 de agosto, quando o PSDB realiza sua convenção nacional.

Assim como o presidente do DEM, ACM Neto, responsável por dialogar com Alckmin em nome do centrão sobre as possibilidades para vice, o tucano afirmou que o novo escolhido não precisa ser, obrigatoriamente, do bloco formado por DEM, PP, PR, SD e PRB, mas pode vir dos outros integrantes da aliança -PSD, PPS, PV e PTB. Alckmin, inclusive, reuniu-se com o presidente do PTB, Roberto Jefferson, nesta quinta.

“O importante é o nome, a parceria, o trabalho conjunto. Tem ótimos nomes. Não tem pressa nessa decisão”, afirmou Alckmin.

O tucano terá uma primeira conversa com ACM Neto até esta sexta-feira (27).

Além de resolver a própria candidatura, Alckmin tem que mediar, como presidente do PSDB, atritos entre seu partido e as legendas aliadas nos estados.

Há incompatibilidades em colégios eleitorais importantes, como Minas Gerais, onde nem Antonio Anastasia (PSDB) nem Rodrigo Pacheco (DEM) querem abrir mão de disputar o governo do estado.

“É natural que a aliança não se reproduza inteiramente em todos os estados. Cada estado tem sua singularidade própria. Onde puder juntar todo mundo, estamos fazendo um esforço”, afirmou o  presidenciável tucano.

Com informações da Folhapress.

Deixe uma resposta