Iphan e Inepac são contra desfile de megablocos no centro do Rio

O plano da prefeitura do Rio de Janeiro de concentrar na Rua Primeiro de Março, no centro da cidade, os desfiles dos megablocos de carnaval desagradou o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e o Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac).

Os dois órgãos estão se mobilizando para reverter a decisão. Uma reunião para tratar do assunto com a Empresa de Turismo do Município do Rio de Janeiro (Riotur) está marcada para às 10h de quinta-feira (5).

A preocupação do Iphan e do Inepac é a preservação dos prédios históricos tombados localizados na Rua Primeiro de Março, sobretudo no trecho que tem início da Candelária e vai até a Avenida Presidente Antônio Carlos. Entre os edifícios, estão a Igreja de Nossa Senhora do Carmo, o Paço Imperial, a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) e o Centro Cultural Banco do Brasil.

Os órgãos temem que ações de vandalismo, como pichações e depredação, provoquem danos irreversíveis ao patrimônio público. De acordo com o Iphan e o Inepac, ocorrências desse tipo costumam ser registradas quando há eventos na região com considerável concentração de público.

Para o carnaval de 2019, a prefeitura planeja organizar um “blocódromo” na Rua Primeiro de Março. A via receberia 11 blocos que reúnem mais de 200 mil pessoas, incluindo alguns que desfilaram na zona sul nos últimos anos. Seria um cortejo por dia.

A Riotur informou em nota que o plano foi elaborado após reuniões com diversos órgãos públicos. Uma das motivações para a adoção desta estratégia é o entendimento de ela reduziria o impacto no trânsito da cidade.

De acordo com o Iphan, a Rua Primeiro de Março é muito estreita, sofrendo grande impacto com a passagem de trios elétricos. O órgão não apresenta nenhuma alternativa, pois considera que escolher um local mais apropriado é atribuição da prefeitura. No entanto, lamenta não ter recebido nenhuma sinalização de que o plano será revisto e avalia medidas a serem tomadas.

Segundo a nota divulgada pela Riotur, a preocupação com o patrimônio é parte do processo de organização do carnaval. “A reunião, que seria promovida mais à frente quando a planta técnica dos desfiles estivesse pronta, foi antecipada em função do noticiário recente que expõe a preocupação em relação ao local dos cortejos do próximo carnaval”.

O texto destaca ainda que a concentração dos megablocos permitirá que se mantenha uma estrutura fixa dos órgãos públicos, dando assim mais qualidade à operação e garantindo mais segurança, conforto e estrutura para os foliões.

Além do Iphan e o Inepac, todos os órgãos públicos envolvidos no processo de organização do carnaval estão convidados para a reunião de quinta-feira. Entre eles estão a Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb), a Companhia de Engenharia de Tráfego do Rio de Janeiro (CetRio), o Metrô Rio, o Corpo de Bombeiros, a Guarda Municipal e as secretarias municipais de Saúde, de Transportes e de Ordem Pública.

Também foram chamadas associações de moradores, membros do Ministério Público e representantes dos megablocos.

O Cordão da Bola Preta, responsável pelo maior e mais antigo desfile do carnaval carioca, informou que sempre realizou seus cortejos no centro da cidade.

O bloco, que completou seu centenário no ano passado, desfilava tradicionalmente na Avenida Rio Branco, mas devido à construção do VLT [Veículo Leve sobre Trilhos], desde 2015 adota a Rua Primeiro de Maio como palco de sua folia.

Os organizadores dizem não ter ocorrido problemas na via, mas estão abertos a ouvir sugestões. A Agência Brasil também tentou contato com outros blocos, mas não obteve retorno.

Notícias ao Minuto

Deixe uma resposta