Pedro Parente pede demissão da presidência da Petrobras; relembre trajetória

A Petrobras anunciou nesta sexta-feira (1) que Pedro Parente pediu demissão do cargo de presidente da companhia. O executivo estava à frente da petroleira e maior estatal brasileira há exatos 2 anos.

O diretor financeiro da Petrobras, Ivan Monteiro, aceitou o convite do presidente Michel Temer para suceder Parente na presidência da estatal.

O pedido de demissão acontece em meio aos desgastes e pressões sofridos por Parente durante a greve dos petroleiros em razão das críticas à política de preços de combustíveis adotadas pela Petrobras na sua gestão. Desde julho do ano passado, o preço da gasolina e do diesel comercializado nas refinarias dispararam mais de 50% e foi um dos pontos mais criticados pela greve dos caminhoneiros e dos petroleiros.

Pela manhã, Parente se reuniu com o Temer no Palácio do Planalto, em Brasília. Na véspera, o executivo se encontrou com o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia.

“Minha permanência na presidência da Petrobras deixou de ser positiva e de contribuir para a construção das alternativas que o governo tem pela frente. Sempre procurei demonstrar, em minha trajetória na vida pública que, acima de tudo, meu compromisso é com o bem público. Não tenho qualquer apego a cargos ou posições e não serei um empecilho para que essas alternativas sejam discutidas”, disse o executivo na carta de demissão.

Ações da Petrobras desabam

As ações da Petrobras caíram quase 15% na Bovespa. Os papés da estatal chegaram a despencar 21%, e, de manhã, a negociação chegou a ser interrompida devido à forte queda. Apesar disso, a Bovespa fechou em alta de 0,63%.
G1

Deixe uma resposta