Há 4 motivos para NÃO cortar o cordão umbilical imediatamente depois do...

Há 4 motivos para NÃO cortar o cordão umbilical imediatamente depois do parto

2077

cordão umbilical é responsável por ligar o bebê à placenta da mãe e é por ele que passa o sangue com o oxigênio e com os nutrientes essenciais ao desenvolvimento do feto. De suma importância durante a gestação, o cordão não deve ser clampeado imediatamente depois do parto. Nos primeiros instantes após o nascimento, até que o pulmão receba o ar e comece a funcionar, os bebês ainda recebem oxigênio pelo cordão.

A recomendação de esperar o cordão parar de pulsar para cortá-lo está incorporado nas novas diretrizes do SUS para o parto humanizado, pois a prática influencia concretamente em aspectos da saúde do bebê. Vale lembrar que, em bebês prematuros, a aplicação da recomendação é avaliada conforme o caso.

 

Motivos para não cortar o cordão rapidamente

 

Risco de anemia

 

 

Segundo pesquisadores, o corte ou o clampeamento imediato impedem que cerca de 100 ml de sangue da placenta fique no corpo do bebê, quantidade equivalente a um terço de todo o corpinho dele. A consequência imediata é o risco de o recém-nascido desenvolver anemia.

 

Melhora coordenação motora

Um novo estudo mostrou que esperar pelo menos três minutos para clampear o cordão umbilical após o parto pode melhorar a coordenação motora fina e habilidades sociais das crianças.

Transplante natural

Uma pesquisa feita pela Universidade do sul da Flórida, nos Estados Unidos, mostrou que esperar o cordão parar de pulsar para cortá-lo pode garantir a transferência de células-tronco, em um processo conhecido como transplante natural.

Desenvolvimento neurológico

Outras pesquisas passaram a indicar que esperar para cortar o cordão dá tempo ao bebê de receber até 25% do sangue que está na placenta. Isso diminui as chances de hemorragia cerebral e pode provocar, em longo prazo, melhora do desenvolvimento neurológico e dos níveis de ferro.

 

 

Tipo de parto

O corte tardio do cordão umbilical pode – e deve – ocorrer tanto no parto normal como na cesárea.