Médicos mudam protocolo de análise do colesterol; veja as novas medidas

Médicos mudam protocolo de análise do colesterol; veja as novas medidas

146

Segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), mais da metade da população brasileira sofre com a alta taxa de colesterol ruim e o pior é que mais de 60% não chegarem a saber a situação em que se encontra a própria saúde.

Por isso, a SBC alterou os valores de referência para colesterol e triglicérides, para os pacientes com perfil de alto risco, como aqueles que já passaram por problemas cardiovasculares graves, entre eles, infarto e derrame.

Segundo o cirurgião cardíaco de São Paulo, Dr. Élcio Pires Júnior, os pacientes com risco cardíaco muito alto devem ter o índice abaixo de 50 miligramas por decilitro de sangue, o que antes estava taxado em 70 miligramas.

“Com a mudança, muitos brasileiros passaram a ter colesterol acima do considerado saudável, já que o limite diminuiu”, completa o especialista.

Ainda segundo o médico, essa mudança foi muito importante, principalmente, para os pacientes que sofreram algum tipo de doença cardíaca anteriormente.

“Muitas pessoas que já passaram por um tratamento cardíaco, enxergavam o limite de 70 miligramas e se estivessem abaixo do valor nem se preocupavam em procurar ajuda médica.

Atitude que intensifica as chances de desenvolver mais doenças do coração”, alerta o cirurgião cardíaco. Confira abaixo, os novos parâmetros:

LDL – Colesterol ruim:

Antigo – Pessoas com risco cardíaco alto devem ficar abaixo de 70 mg/DL.

Novo- Pessoas com risco cardíaco muito alto devem ficar abaixo de 50 mg/D.

Colesterol total

Antigo – Desejável: abaixo de 200 mg/DL.

Novo – Desejável: abaixo de 190 mg/DL.

HDL – Colesterol bom

Antigo – Desejável: acima de 60 mg/DL

Novo – Desejável: acima de 40 mg/DL

Sem cometários